Só nos resta esperar

Só resta uma coisa: esperar

O futebol, que já havia parado nas principais ligas europeias um pouco antes, parou de vez no Brasil após o dia 15 de março. Inicialmente, se esperava uma paralisação de duas semanas ou até um mês. Mas não foi bem assim. E o fato é que não se sabe quando realmente poderá voltar.

Nesse momento, o que mais importa é a saúde das pessoas nesse momento de pandemia de coronavírus. Para se ter uma ideia: os presidentes de Internacional e Grêmio foram infectados com o novo – felizmente, se recuperaram. Lembrando que dias antes do início do isolamento social, os dois clubes disputaram um clássico com mais de 40 mil pessoas na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, onde o vírus pode ter se disseminado em mais pessoas.

Isso é só um exemplo dos riscos da doença. Ainda é impossível prever um retorno aos gramados (o que vale para os outros esportes também). E, mesmo que em um cenário mais otimista, as atividades se normalizem em maio, os atletas ainda teriam que fazer mais um mês de nova pré-temporada’, já que estarão completamente sem preparo físico. Assim, o calendário ficará ainda mais ‘achatado’.

Muitos defendem o encerramento dos estaduais, por exemplo. Mas entendo que, se for possível, que se concluam esses torneios e depois iniciem o Brasileirão. Nesta semana, o presidente do Flamengo chegou a dizer que existe possibilidade do torneio ser disputado até 31 de janeiro de 2021. É uma possibilidade. O fato é que, qualquer que seja a decisão, não irá agradar a todos.

E, lembrando, que o contrato dos jogadores de muitos clubes, especialmente os do interior, terminam no final de abril. E não existe ainda nenhuma sinalização do que possa acontecer depois.