Palmeiras, campeão com mérito e com a mão de Luxemburgo

O torcedor palmeirense está em festa. E não é para menos. Embora muitos não valorizem o Campeonato Paulista, este título teve um sabor todo especial para os torcedores alviverdes e para a história do clube. Pela primeira vez, o Verdão foi campeão em cima do Corinthians dentro de seu próprio estádio – se perdesse, os corintianos festejariam o segundo título no Allianz Parque.

E, mais: o Palmeiras, com essa conquista, evitou um inédito tetracampeonato estadual do seu maior rival. Além disso, o Verdão quebra um incômodo jejum de 12 anos sem conquistar o título do Campeonato Paulista e já garante ao menos um caneco em 2020 – o último havia sido no Brasileirão de 2018.

E o clube acaba fazendo renascer o técnico Vanderlei Luxemburgo, multicampeão na década de 1990, mas que nos últimos anos estava em baixa. A atitude dos jogadores palmeirenses em campo no jogo de volta das finais teve grande motivação do treinador, acostumado com esse tipo de finais.

Ainda assim, pelo investimento que tem, o Palmeiras jogou muito abaixo do que poderia e ainda quase colocou tudo a perder com um pênalti nos acréscimos. Porém, na decisão pelas penalidades máximas, o Verdão levou a melhor e com destaque para Patrick de Paula, jovem jogador que teve a responsabilidade da quinta e última cobrança, que deu o título os palmeirenses.

Com a conquista, o Palmeiras tira um peso das costas e entra animado no Campeonato Brasileiro, além da sequência na Libertadores em setembro.

Por outro lado, o Corinthians não pode abaixar a cabeça. Como disse o presidente Andrés Sánchez após a partida, a temporada ainda não acabou. E o Timão ainda tem a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro pela frente.

Apesar das dificuldades contra o Palmeiras na final, a equipe alvinegra não perdeu dentro de campo. Aliás, são seis jogos de invencibilidade após a quarentena. E com apenas um gol sofrido. E com o atacante Jô mostrando que não perdeu o faro de gols. Isso é importante ressaltar.

O Corinthians de Tiago Nunes é competitivo. E, como já disse anteriormente, pode surpreender no Brasileirão, pois tem um estilo de jogo parecido com 2017, nos tempos do técnico Fabio Carille. E em um torneio de mata-mata, como a Copa do Brasil, também entra muito forte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *