Dias difíceis para a Águia do Vale

Em dois jogos disputados até agora no Campeonato Paulista da Quarta Divisão, o São José somou dois empates. Ainda não venceu nenhum. E, pior: não conseguiu convencer. Na estreia, se livrou da derrota em casa para o Paulista de Jundiaí, que foi superior durante a maior parte do tempo. E, neste sábado, dia 13, ficou no empate por 1 a 1 contra o Atlético Mogi, em Mogi das Cruzes.

Mesmo fora de casa, a Águia tinha quase toda a torcida no estádio, já que o Atlético é um time de empresários, sem muito vínculo com o torcedor de Mogi das Cruzes. E que ainda por cima havia sido goleado por 5 a 0 para o Amparo na estreia. O São José não ganhou um ponto em Mogi das Cruzes. Na verdade, perdeu dois. E esperamos que esses pontos perdidos não façam falta lá na frente.

Em campo, o que se viu foi um festival de erros de passes e um futebol muito fraco tecnicamente dos dois lados. O São José não teve forças para se impor diante de um time que, nos últimos anos, vem sendo ‘saco de pancadas’ na competição. Neste sábado, o único atleta que mostrou algo de mais qualidade diferenciada no time da região foi o lateral esquerdo Luciano Pit, remanescente do ano passado e autor do único gol joseense até agora no campeonato.

É claro que ainda tem muito campeonato pela frente e é claro que novos jogadores ainda vão estrear pela Águia. Mas, pelo que se viu neste sábado, o torcedor do São José tem que se preocupar muito. Em 2017 e 2018, o time não subiu. Mas apresentou, desde a estreia, um futebol muito, mas muito melhor do que o apresentado até agora em 2019.

É preciso ser curto e grosso: ou a diretoria da Águia contrata novos reforços de qualidade de forma urgente, ou o time corre risco de nem se classificar para a segunda fase, com este futebol apresentado, especialmente neste sábado.

Sabemos também que existe a questão financeira, as limitações orçamentárias, mas algo precisa ser feito logo para que o São José não permaneça mais um ano na última divisão do estado. E quanto mais tempo ficar neste campeonato quase amador, mais difícil vai ficar para conseguir se reerguer.

Parece que a ‘herança’ da gestão de Benevides Ferneda, o ‘Geleia’, que pegou o time na Série A-2 em 2013 e entregou na Quarta Divisão, em 2016, continua bem viva. E quem sofre, é o torcedor da Águia do Vale.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *